[RESENHA] Quem é você, Alasca?, de John Green

Postado em 13 de março de 2019 às 04:54

Hey cupcakes! Hoje é dia de mais uma resenha e hoje vamos de João Verde com a resenha de Quem é você, Alasca? o primeiro livro publicado do autor. 

resenha quem é voce alasca john green

Então bora conferir, continue lendo!
Em Quem é você, Alasca? conhecemos Miles, um garoto que acabou de chegar em Culver Creek, onde decidiu ir para o colégio interno com a dúvida e a esperança de encontrar o seu Grande Talvez , só que Miles não é um garoto comum: ele coleciona últimas palavras e, em sua memória, ele coleciona as últimas palavras de todos os nomes de figuras importantes para a História. E é aqui em Culver Creek em um colégio interno novo para ele, que conhece seus novos amigos, onde no meio deles está Alasca Young, uma garota peculiar, inteligente, espirituosa e sensual que derrete o coração de Miles... Mas eu já disse que ela tem namorado? Pois é, amiguinhos, as coisas não poderiam ser tão fáceis. E aqui encontramos mais dois amigos novos para a contagem regressiva de Miles. Não entendeu? Eu que não vou dar spoiler, eu hein?
Porque não podemos prolongar para sempre esse tipo de coisa. Chega uma hora em que é preciso arrancar o Band-Aid. Dói, mas pelo menos acaba de uma vez e ficamos aliviados.
Pág. 7
Nesse livro identifiquei um padrão de escrita e personagem masculino em John Green, apesar de ter sido seu primeiro livro publicado, de fato. Achei Miles com várias coisas em comum principalmente com Quentin de Cidades de Papel, inicialmente, e também com alguns elementos que me lembrou de Colin de Teorema Katherine – garotos apaixonado e inteligente, pega várias referências (e, às vezes, só eles) sentem que não tem saída para sua paixão e se apaixonam por garotas comprometidas – por isso não coloquei Augustus aqui. Alasca, no entanto, diria que tem pouco ou quase nada em comum com Hazel Grace – talvez a inteligência matemática? É um diferencial da garota também -, mas me lembrou muito a Margo de Cidades de Papel, com exceção de que Alasca é mais simpática e mais fácil de criar vínculo com a personagem do que Margo e não fica com essa de pouco caso com Miles, ela o trata como uma pessoa do grupo e o inclui em seus planos – uma garota que chama a atenção, exótica e interessante. Pode Miles realmente descobrir quem Alasca é de verdade
Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia.
Pág. 55
Vou contar meu problema pra vocês, mas vou deixar em branco, para ver apenas quem quiser. Não vou contar o problema de fato, mas vou desabafar.
Acho que o meu grande problema foi ter visto um baita spoiler no Facebook há uns dois anos numa postagem comparativa entre Quem é você, Alasca? e A Culpa é das Estrelas e eu me lembrei do que estava escrito na postagem. Atrapalhou toda surpresa principalmente pela dinâmica que o livro tem: por favor, não vejam spoiler desse livro. Essa é a graça do livro. De verdade.
O medo não é uma boa desculpa! (...) O medo é a desculpa que todo mundo sempre dá!
Pág. 97
Apesar de tudo isso, o livro traz algumas lições muito interessantes (vícios, problemas pessoais e familiares, depressão e amores, amizade e a lealdade sempre presente) e de fato, o livro toma outra forma a partir da metade do livro, apesar de ser um livro curto, de 230 páginas e tem um final realmente surpreendente, ou melhor, um andamento final surpreendente – por isso muitas pessoas o consideram um dos melhores livros do Green. Eu ainda acho que ACEDE tem o pódio, mas por diversas questões filosóficas entendo que sim, QEVA pode ser considerado um livro muito bom. Entrou em questões que eu nem tinha parado pra pensar e por isso, é interessante sim. Detalhe que essa capa que eu tenho, eu acabei pagando bem mais barato no livro na época - vai entender, edição da colecionador, ainda! - e tem SUPER a ver com a história. Quando entendi só queria me dar uns tapas porque
Você me deixou carente de talvezes, preso à porcaria do seu labirinto.
Pág. 177
Por fim, Quem é você, Alasca? foi uma surpresa, ao mesmo tempo que não apreciei muito a leitura pois tem alguns elementos nos personagens que não me agradam e sim me incomodaram bastante. Foi apreciável pois tem uma filosofia inteligente e várias frases que impactam na percepção e, apesar de não gostar muito dessa edição (o livro não quer ficar aberto! Socorro, é horrível pra ler rs), é um livro interessante e inteligente. E vocês? Já leram? Sabiam que essa edição da foto é edição de colecionador? Me contem!

 Classificação: ⭐⭐⭐

Você poderá gostar de:

7 comentário (s)

  1. Ola, bom dia!
    Acho que foi muita sorte eu não lido e nem ouvido falar de nenhum spoiler deste livro quando eu o li, acho que ficaria decepcionada também, porém, ao mesmo tempo o livro é muito mais do que o final não é mesmo?! Suas mensagens são ótimas, elas são tocantes!
    Sua resenha está muito completa, adorei, principalmente porque eu relembrei este livro que amei tanto quando o li.

    Beijos Mila
    http://dailyofbooks.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Pâm

    o único livro do John Green que consegui ler foi 'A culpa é das estrelas'
    Já tentei ler outros e a leitura n flui.
    N consigo me conectar c os personagens e tal.
    Já desisti de ler algo dele!

    Bjoooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com muita vontade de ler e já anotei sua dica, linda resenha :D

    https://www.submersaempalavras.com/

    ResponderExcluir
  4. gostei da resenha muito boa deu vontade assistir

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia essa capa ainda, é uma edição linda! No geral, naõ curto o estilo de John Green ): mas adorei a resenha e como você expôs os pontos importantes da história

    Um beijo,
    Quase Mineira

    ResponderExcluir
  6. É aquele famoso: não é ruim, não é bom. HAHAHAHA
    'Quem é você, Alasca?" está longe de ser o melhor do Green, mas eu até que gosto das reflexões que ele nos propõe. 'Tartarugas até lá embaixo' foi uma surpresa por isso, não é a narrativa que me surpreende e agrada e sim a personalidade, as problemáticas apontadas por ele nos personagens.

    ResponderExcluir