Postado em 5 de fevereiro de 2018 às 13:36

[RESENHA] Saco de Ossos, de Stephen King

Hey cupcakes! Hoje é dia de resenha de Stephen King. Um livro que virou uma minissério com Pierce Brosnan em 2011. Já não considero uma das minhas melhores leituras mas devo dizer que existem pontos interessantes que são abordados nesse livro. Bora conferir? 

Sinopse:  Como suportar a morte da pessoa amada? De que forma preencher os dias cada vez mais longos e vazios? Como se libertar da tortura de pesadelos terríveis? Aos quarenta anos, o escritor de sucesso Mike Noonan enfrenta estas perguntas. Desde a morte da esposa Jo, sua vida transformou-se. Incapaz de escrever, Mike passa longas horas diante da tela vazia e sente que precisa reagir enquanto ainda lhe resta alguma lucidez. Atormentado por pesadelos com Sara Laughs, a casa do lago onde ele e Jo viveram momentos felizes, Noonan decide voltar. E é na pequena cidade que Mike redescobre o amor. E é na pequena cidade que terá de enfrentar a fúria do poderoso Max Devore, um homem cruel, capaz de tudo para arrancar a neta da guarda de sua jovem mãe viúva. É em Sara Laughs que Mike Noonan volta a escrever e vive a tormenta de pesadelos cada vez mais assustadores.



RESENHA
Saco de Ossos é um suspense de Stephen King que tem uma capa legal, uma sinopse interessante mas, que na minha opinião, tem um protagonista irritante e nada cativante. Ao mesmo tempo que vale a leitura por ser King (algumas descrições são tão incríveis que é exatamente como se estivesse um filme passando na sua cabeça) outras vezes se tornou uma leitura maçante e sem aquela pitadinha de sabor que precisava para ser uma leitura feliz - e deveria ser? Se você fizer uma pequena pesquisa, essa pode ser uma "literatura gótica"... E aí? 
E, na medida em que se sabe o que se está procurando, a coisa pula na sua frente.
Mike Noonan é um escritor que acaba de ficar viúvo - sua esposa faleceu repentinamente por um aneurisma, sua companheira e inspiração - e entra no que todos temiam mas ele mesmo nunca havia provado: o bloqueio literário. Sem vontade e com seus desejos afogados na tristeza, Mike se vê numa vida pacata e sem grandes emoções durante quatro anos após o falecimento da amada. As "grandes emoções" aconteciam quando ele tentava escrever: sentia uma aversão e o bloqueio em si consumindo-o por inteiro... Convenhamos que seus livros, por terem uma boa venda, poderiam sustentá-lo por algum tempo, mas não para sempre e ele tinha plena noção disso, certo? Absolutamente! E é por esse motivo que ele resolve ir para sua casa de verão chamada Sara Laughs, o lugar que estava habitando seus pesadelos mais recentes, apesar de sempre ter sido um lugar de boas lembranças com a esposa Jo. Continuaria sendo?
Em cidadezinhas pequenas, as coisas estão ligadas por debaixo da superfície (...) e o passado morre com mais lentidão.
pág. 303
Quando ele chega na pequena cidade, se depara com diversas situações mas uma história com uma pequena de 3 anos está dando o que falar. A pequena é Kyra Devore, sua mãe, Mattie e seu avô, Max, estão na polêmica lutando pela guarda da menina, afinal o esposo de Mattie e filho de Max faleceu e o avô não acha que ela está dando os devidos cuidados à criança - mas como esse velho, causa, hein? Mike acaba conhecendo a história e percebe que Mattie precisa de ajuda - além de ser uma moça atraente de 21 anos - ela é uma mulher inteligente e que ama sua filha sem limites porém não tem os recursos que o seu ex-sogro tem e nem a grana necessária para fazer a justiça não duvidar de seus cuidados. Nessa luta pela guarda, acontecimentos estranhos começam a ocorrer aos poucos com Mike e com a família Devore e é a partir daí que a narrativa começa a deslanchar e desenvolver de uma forma quase eletrizante. E quando coisas do passado começam a surgir e existe mais do que apenas Kyra e sua mãe no meio da história para sofrerem as consequências do que viveram? E se o buraco for mais embaixo?
A parte intuitiva da mente se destranca quando se começa  a trabalhar [...].
pág. 335
Mike é um escritor mas na primeira parte do livro - na primeira metade do livro - em momento algum eu gostei dele. Sério! Eu ficava pensando "Meu Deus! Não quero ler nenhum livro desse Noonan, que homem chato!" e alguns pensamentos dele me davam um certo ranço. Ele é muito cru em suas palavras MAS suas descrições são muito boas - algumas eu não queria saber, tipo, mesmo! - e por isso ele é considerado não o melhor escritor mas um bom escritor em um bom ranking de vendas. Conhecemos pouco Jo no início mas com o desenvolver da história percebemos que ela era a pessoa mais cativante do casal, porém era também a que mais escondia histórias e segredos.

Kyra é a melhor personagem de todos os apresentados nesse livro - a mais fofa, natural e inocente, é claro - uma criança boazinha e educada com um coração maravilhoso e uma imaginação fértil. Mattie é muito responsável mas como ela acaba desenvolvendo um tipo de relacionamento com Mike não consegui criar aquela ligação que eu gostaria.
- Às vezes a cama parece mais segura, sabe? (...) É uma coisa de criança. As cobertas são a criptonita contra o bicho-papão.
pág. 434
Max é deplorável, na boa, que velho chato também! rs Ele, até mesmo no final do livro, consegue causar sentimentos ruins e situações horríveis. Rogette é outra - Kyra a chama de "vovó branca" mas ela tá mesmo é mais pra Bruxa Branca das Crônicas de Nárnia, isso sim! A mulher cria muitas situações ruins para Mattie e Ki, dificultando sempre para as duas permanecerem juntas. Ah! Existe uma personagem que tem uma certa personalidade que tem um destaque na história apesar de eu não ter falado dela: Sara Tidwell, uma cantora de Blues, negra, que sofre preconceitos mas que não, não leva nenhum tipo de desaforo pra casa. Isso deveria ser normal, mas ah... Ela era negra, né? Isso não era "normal", infelizmente.
Ela disse que, quando a casa queria você, ela o chamava.
pág. 380
No final, Saco de Ossos foi uma leitura que deu para retirar algo de bom: o final foi mais eletrizante que tudo e não dá pra largar o livro, isso é um fato e tente lutar contra isso. As últimas páginas são decisivas e imagino que ficaria muito bom no filme - será que a série foi boa? Vou deixar o trailer aqui embaixo. Stephen trata de alguns temas como o preconceito, sobre ser casado com alguém por muitos anos e mesmo assim não conhecer a pessoa totalmente, sobre os antepassados, estupro, machismo, espíritos e "descansar em paz", sobre livros, sobre bloqueio literário e também o luto e as perdas que temos durante a vida.  É um livro interessante mas não foi minha leitura favorita. Já tinha lido "O Nevoeiro" do autor mas ainda não consigo dizer que Stephen King é o mais genial de todos os autores..Acredito que preciso de outras leituras mas foi bom para ler um suspense e algo sobrenatural, Agora eu vou dar um tempinho com meus romances água com açúcar rs
À noite nossos pensamentos têm um modo desagradável de escapar das coleiras e correr livres. E se você tem passado a maior parte da vida adulta tecendo ficções, estou certo de que tais coleiras são mais frouxas ainda, e os cães, menos ansiosos para usá-las.
pág. 31

Gostam de classificação no final da resenha ou no início? Vou começar a deixar por aqui também, espero que gostem!
Classificação: ⭐⭐

2 comentários

  1. Oie
    Este livro não faz muito meu estilo de leitura, mas achei interessante a premissa.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Nessa, acho que nem o meu, viu rsrsrsrs
      mas tudo bem, vale de experiência, né?
      Beijocas

      Excluir

Desenvolvido por: Adorável Design Editado por: Pâm Possani