[RESENHA] Cidade da Meia-Noite, de J. Barton Mitchell

Postado em 1 de maio de 2014 às 00:50 por

Hey pessoal, como estão vocês? Hoje é dia de resenha um lançamento que já falei antes pra vocês, mas agora vão conhecer um pouco mais. Cidade da Meia-Noite é o mais novo lançamento distópico da Editora Jangada, que já publicou vários romances de grande sucesso internacional como Tempest, Nascida à Meia-Noite e Como (Quase) namorei Robert Pattinson. Esse é definitivamente um lançamento que veio para ficar.

Cidade da Meia-NoiteSinopse: A Terra é conquistada por uma raça alienígena conhecida como os Confederados. A população adulta da Terra desaparece de vista, sucumbida pela Estática - um poderoso sinal telepático irradiado pelos alienígenas, que reduz as pessoas a um estado de total servidão. Mas existe um grupo imune aos seus efeitos: as crianças e os adolescentes. Enquanto isso, Holt Hawkins, um caçador de recompensas, tem como alvo Mira Toombs, uma astuta caçadora de tesouros com a cabeça a prêmio. Não demora muito para Holt capturar sua presa, mas a forte atração que surge entre os dois não é algo com que ele contasse. A queda de uma nave dos Confederados nas proximidades do lugar onde Holt e Mira estão acampados revela uma surpresa - a única sobrevivente é uma garotinha que não se lembra de mais nada a não ser do próprio nome: Zoey. Logo eles descobrem que todo o exército alienígena está à procura de Zoey. O que ela tem de tão especial? Será que os poderes dessa garota, por mais improvável que isso possa parecer, são a chave para deter os Confederados de uma vez por todas?

RESENHA

  Amar significa amar o inamável. Perdoar significa perdoar o imperdoável. Fé é acreditar no inacreditável. Esperança é confiar quando tudo parece perdido.
  pág. 7 
Cidade da Meia-Noite é um livro que me deixou confusa e um pouco perdida no início das páginas, apresentando personagens e detalhes que eu não conseguia absorver. No entanto, as peças aos poucos foram se encaixando, e a leitura se tornou fluida e muito prazerosa. Ficção científica com um toque de quero mais, distopia com um toque de quero conhecer mais sobre esse lugar.

A narrativa se inicia com Holt Hawkins, um garoto Imune (já explico mais tarde), e seu cão Max, um pastor alemão rajado de cinza e azulado. O garoto é nada mais do que um caçador de recompensas com dívidas a serem pagas. Como forma de pagar essa dívida, Holt acaba tendo a finalidade de capturar Mira Toombs, uma Bucaneira,ou seja, uma caçadora de objetos mágicos das Terras Estranhas e muito inteligente. Sua cabeça está valendo um grande prêmio. Ele, no entanto, está disposto a arriscar. Não é preciso avisar de que ambos se odiavam no início, né? Mas que ainda assim, é impossível ficarem longe um do outro.
E daí que o cabelo dela cheirava bem? E daí que seus olhos eram de cor de esmeraldas, o que importava isso? Ela era um cartaz de recompensa para ele, e só. Era seu passaporte para escapar do Bando de uma vez por todas. E ela, absoluta e definitivamente , não era nem um pouco atraente.
pág. 94
Prender Mira foi mais difícil do que Holt pensou que pudesse ser, mas nem Mira e nem Holt podiam imaginar que encontrar Zoey seria o que finalmente mudaria completamente o destino dessa jornada, e viver aventuras complicadas e intensas. O inimigo pode ser maior do que você imaginava.
Com passagens eletrizantes e momentos de tirar o fôlego, posso dizer que é uma aposta no escuro com um enredo sobre alienígenas, mas foi um livro que deu muito certo - piratas, cidades destruídas, dominós, traições, romance e companheirismo são traços interessantes de se observar.
Sobrevivência era tudo. Era no que ele acreditava, era o que lhe ensinaram, e o mundo lhe mostrara que isso era verdade, muitas e muitas vezes. Como pôde deixar que isso acontecesse? Não tinha sido por falta de tentativas : ele tinha mantido distância de Mira e Zoey no início, mas, em vez disso, alguma coisa nelas se recusava a ser ignorada.
pág. 238
Vamos entender um pouco mais para você não se sentir tão perdido quanto eu me senti no início.
Na narrativa de Mitchell somos apresentados aos Confederados, que nada mais são do que alienígenas. Sim, isso mesmo que você leu. Nesse livro distópico e de ficção científica, quem domina a terra são espécies desconhecidas que transmitem um sinal chamado Estática, que tomou conta de todos adultos fazendo com que eles desaparecessem da Terra, restando apenas as crianças, adolescentes e jovens. A Estática começa com vozes que no início não fazem muito sentido, mas só são ouvidas dentro da cabeça do indivíduo. Quanto mais essas vozes atacam a pessoa, linhas negras vão se espalhando pelos olhos e quando eles ficarem completamente negros, são invocados para o Parlamento e então simplesmente somem. Pessoas que não tem a Estática dominando sua cabeça e nem ouvem as temidas vozes são chamados de Imunes, tal qual Holt Hawkins.

Os personagens são bem construídos e não permitem muitas pontas soltas no seu desenvolvimento e apresentação. No início contamos com flashes do passado de Holt, por exemplo, e acabamos entendendo um pouco de como ele chegou até ali. Zoey é uma fofura em pessoa e causa tremendo efeito que nem ela mesmo sabe que poderia ter.
O trabalho da editora ficou caprichado. A capa ficou igual à capa americana, as páginas amarelas, as margens e letra de tamanho confortável para leitura. Não tenho do que reclamar, só estou pedindo assiduamente: A TORRE PARTIDA AGORA!
A capa dos prequel e dos dois volumes seguintes já foram divulgadas, lembrando que Winterbay é um pequeno livro antes de Cidade da Meia-Noite, e The Severed Tower vem seguinte à este:
                                 17204516
Ansiando pelo segundo e terceiro volumes e por Winterbay, fica a dica, Jangada.

Você também pode gostar de:

2 comentários

  1. Que série interessante. Dificilmente leio distopias, mas é uma temática super interessante. As capas dessa série são lindas a do livro Winterbay mais ainda. *---------------------*

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Eu to lendo esse livro bem agora, na pg 100 mais ou menos e to gostando bastante. Ele tem me lembrado Guerra dos mundo, não sei porque. kkkkkkkkkk É a minha primeira experiência com alienígenas e ta sendo tenso, mas de um jeito bom, porque fico curiosa pra que o autor descreva eles e mais sobre como foi a dominação. Não sei se mais para frente tem, mas tomara que tenha em algum momento.

    Não sabia das continuações e do prequel, mas espero que a Jangada lance tudo por aqui e mantendo as capas originais que são bem lindas.

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir

NEWSletter

Blog Archive