[RESENHA] Despedaçada, de Teri Terry (Slated #3)

Postado em 14 de novembro de 2017 às 16:15 por

Hey cupcakes! Hoje é dia da resenha do último livro - quase sem spoilers! - da trilogia da nossa queria Teri Terry, que arrasou completamente meu coração com toda uma distopia que construiu em três livros incríveis... Mas será que o final valeu a pena?
Sinopse: Kyla foi Reiniciada: sua memória foi apagada pelo Opressivo governo dos Lordeiros. Mas, quando lembranças proibidas de um passado violento começam a aparecer, surgem também dúvidas: ela pode confiar naqueles que passou a amar, como Ben? As autoridades querem a morte de Kyla. Com a ajuda de amigos no DEA, ela vai a fundo, sondando seu passado e fugindo. A verdade que ela busca desesperadamente, no entanto, é mais surpreendente do que ela poderia imaginar. Ao final do terceiro volume desta aclamada série, os mais profundos e imprevisíveis segredos serão revelados

Para contextualizar, eu já fiz a resenha de Reiniciados #1 e Fragmentada #2 aqui no blog, mas agora é a hora do terceiro livro ter sua opinião expressada aqui também. Eu lembro que, quando li esse livro, eu já havia relido Reiniciados e dado uma virada de páginas em Fragmentada. Havia esperado alguns meses até finalmente comprar a trilogia completa na Bienal. E já estava morrendo de saudades da minha Kyla - aquelas possessiva que acha que descobriu o Brasil. Eis que havia chegado a vez de devorar as páginas do último livro pela primeira vez. Sem spoilers, eu prometo - MAS NÃO LEIAM A SINOPSE SE NÃO QUISEREM SPOILERS - mas devo deixar alguns adendos das personagens e sobre a história em si. 
  Ninguém nunca diz nada. Não é esse o maior problema de todos? Se todos nos uníssemos e disséssemos Já Chega!, isso não acabaria? Estou começando a falar como Aiden.
Teri Terry construiu uma história distópica nesses três livros que não é apenas sobre "acabar o mundo" em si, mas ter o mundo em que vivemos destruído por uma nova doutrina que "eles" - o governo, no caso, - impõe à sociedade. A "arte" de reiniciar veio para destruir tudo que era normal, tudo que era feliz, a fim de que as pessoas seguissem uma nova linha de raciocínio para fazer exatamente o que o governo sempre quis que elas fizessem - nada de coisas erradas na época da adolescência, porque senão suas cabeças seriam "restartadas". Começar do zero será sempre uma boa opção? Sem as memórias? Sem as lembranças, boas e ruins, que fazem você ser você?
 Então, estou de volta ao inicio. Como se tivesse sido reiniciada novamente. Para não saber quem eu sou. Sem saber quem são meus pais e de onde eu venho.
À medida que Kyla, nossa personagem narradora, passa por seus altos e baixos e seus questionamentos também criamos os nossos próprios questionamentos e torcemos pela personagem. Vemos com seus olhos, sentimos com seu coração. Kyla é convincente em todo seu discurso e narração. Apesar de teimosa e jovem - o que geralmente geram algumas atitudes inconsequentes, mas acho que ela é bem madura para a idade - a moça tem uma opinião e corre atrás de suas antigas verdades que foram "perdidas" no meio de tantos métodos não naturais aplicados nela. Até mesmo as personagens ao seu redor são reais, são amadas ou odiadas de acordo com suas ações, que apesar de não serem perfeitas, são humanas e isso é muito bem construído nos três livros. As lutas que travam são fortes - apesar de precisarem de muita luta física e verbal - e são narradas em uma tomada decisiva e cheia de acontecimentos, exatamente para criar cenas de filme na cabeça, o que dá muito certo.
 Depois de tudo o que o TAG fizeram comigo. Roubando minha infância, minha vida, matando meu pai, me programando para ser uma assassina. Sinto uma pontada de fúria.
A leitura é fluida, corrida sem atropelar os acontecimentos e te prende do início ao fim. Apesar do romance ser algo que não tem um grande foco, esperava algo diferente para o final do livro, mas isso depende do leitor - se ele vê como algo mais importante ou não, dependendo do personagem que criou maior laço também... Não vi como algo negativo, apenas diferente. Algo sem dúvidas, certeiro. Ela fecha a trilogia deixando o leitor satisfeito com o final, algo digno de três livros, deixando alguns pontos para trás mas que no geral, acaba tendo menos importância. Ou seja, uma trilogia que vale muito a pena para conhecer, ler e reler.
✘✘✘


Você também pode gostar de:

4 comentários

  1. Oiiii Pam

    Eu tenho vontade de ler essa trilogia, mas antes preciso ler um livro da autora que chama Jogos Mortais, autoconclusivo. Esse tenho faz é tempo e comprei justamente pra conhecer a escrita dela. Acho a premissa de Reiniciados bem interessante, mas essas protagonistas de distopia às vezes me tiram um pouco do sério.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. GURIA, ME ABRAÇA!!! Eu quase nunca vejo gente falando sobre essa trilogia aqui na blogosfera e no booktube e o pior é que é uma das trilogias que eu mais amei ler, então sinto falta de ter aquele papo, sabe?

    Eu amo tanto a Teri que tô pensando em fazer a releitura dos três livros pra conseguir fazer umas resenhas mais "frescas" pro meu blog e, se der sorte, trazer mais leitores pra conhecer o mundo de Kyla.

    Se quiser bater papo sobre os livros, é só dar um grito em qualquer rede social minha :P

    ps: li todas as três resenhas e adorei, parabéns!

    Beijão!
    literarizandomomentos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Alguém falou em distopia?
    hahahaha... Então, não conhecia essa série. Mas fiquei com muita vontade de ler!
    Adoro distopias!
    Obrigada pela indicação.
    Beijos
    5 O'clock Tea

    ResponderExcluir
  4. Oie
    Faz tempinho que eu quero ler esta série, mas me falta tempo hehehe.
    Adorei seu blog, sou a Nessa que está participando do amigo secreto.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

NEWSletter

Blog Archive