Words Challenge 2021 - Noiva em Fuga

Postado em 5 de novembro de 2021 às 05:30

Hey cupcakes! Como vocês já sabem, eu e a Alê do blog Estante da Alê anualmente preparamos com muito carinho um desafio de palavras durante o ano todo, onde podemos nos desafiar e trazer um texto diferenciado no conteúdo dos nossos blogs. Esse ano nossas postagens estão sendo mais completas, com direito a elenco, trilha sonora e cenários... Vocês poderão ver um pouquinho delas no Insta Rascunhando Memórias. Que tal conferir o nosso tema da vez na minha versão de Noiva em Fuga?

Continue lendo para conferir!

Põe pra tocar: Where It Stays - Charlotte

Elenco:
Personagem Masculino: Chris McNally
Personagem FemininaMary Elizabeth Winstead

Palavras:
captura, milho, presidiário, tom, religião e basquete.

A nave da igreja era comprida demais. Era essa a impressão que eu tinha quando estava percorrendo e correndo com meus saltos cor de pérola. Olho uma última vez, deixando meu presente para trás e construindo meu novo futuro.

Meu coração pula como uma bola de basquete em pleno jogo quando ouço a pesada porta se abrir com meu empurrão. Meus olhos não aguentam segurar as lágrimas que caem sem cessar pelo meu rosto.

Me sinto livre.

Me sinto feliz.

Mesmo que eu tenha tido que encarar rostos horrorizados com a minha atitude nada precipitada. Não quando minha irmã colocou no telão da igreja o motivo da infidelidade dele, que estava mantendo escondida, e pude dar meia volta para o lugar do qual nunca deveria ter saído.

Todos os outros motivos já não importam mais.

O motorista do carro lustroso está lá e me encara com as pestanas arqueadas.

— Por favor, pode me levar a um lugar?

Minha felicidade já tem nome, sobrenome e endereço, e esse último não está aqui, no lugar onde estou. Na verdade, a pessoa para a qual eu gostaria de fugir, está muito além dos campos de milho que fazem fronteira na cidadezinha do interior mais pitoresca que eu já tive o prazer de viver.

Penso em tudo que eu estou perdendo, mas não quero mais isso. Mesmo que eu tenha que viver longe do homem que me ensinou que palavras podem curar a enfermidade da alma, é hora de seguir em frente. Meu peito dói pelo peso do que acabou de ocorrer, mas enxugo o rosto com os últimos resquícios do passado que deixei. 

Sei que quando acontecer, mais tarde, vou precisar fazer algumas ligações, mas afasto esse pensamento da minha cabeça por agora.

Agora eu vou seguir com meu plano inicial.


Quando o carro para em frente ao endereço, meu peito afunda e perco uma batida. As lágrimas que caem não são mais de tristeza do que deixei para trás, mas são da felicidade mais pura que eu poderia sentir.

Meu coração, que era presidiário, agora sente a leveza e a liberdade que o amor o proporciona. 

Ele bate livremente.

Ele bate forte.

As janelas fazem um barulho alto que é impossível ignorar e olho esperançosa para encontrar os olhos castanhos, cor do chocolate mais doce que eu já tive a oportunidade de provar.

Ele me encara do fundo da capela, capturando os meus olhos físicos e os olhos da minha alma, da qual ele já tem. Ele vem ao meu encontro, enquanto estanco na porta da igreja vazia. O padre me dá um sorriso e dá uma batidinha no ombro dele, que apressa o passo ao meu encontro.

Meus olhos não param de analisá-lo: o corte do terno do seu pai, a gravata azul guardada com tanto cuidado pelo avô, a camisa que a minha mãe costurou.

— Você chegou. — Ele diz, num fio de voz, segurando meu rosto e desenhando meu lábio com o polegar. Fecho os olhos com o toque. — Você está... Tão linda. — O seu tom de voz embarga e sinto a emoção tomar conta de mim também. Ele toca cada pedacinho de mim, mas antes disso, ele já tinha me tocado sem ter usado as mãos. 

Ele transformou algo no meu peito. 

Ele aprendeu a cuidar da minha alma e me ensinou que o amor vem livre de outros preconceitos e é a maior religião que eu poderia seguir.

— Eu te aceito como meu amor, eu te aceito como meu esposo.
• • •


Você poderá gostar de:

10 comentário (s)

  1. Oi, Pamela. Como vai? Menina suas histórias são maravilhosas, viu. Que bom que você nos mostre elas. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/



    ResponderExcluir
  2. Ai Pâmela, é como se a história acontecesse diante dos meus olhos.
    COMO EU AMOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
    A gente deveria voltar a escrever, viu? Sinto tanta falta...
    e ainda acho que deveríamos fazer as continuações acontecerem, só acho!
    beeeeeijos Pamzinha
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SAUDADES
      DEVERÍAMOS E
      SE FIZESSEMOS UM ANO DE CONTINUAÇOES?
      podemos pensarkkkkk

      Excluir
  3. Adorei! Temos de ter coragem de tomar certas decisões na vida,
    como sua personagem tomou...O amor é lindo!! 💞

    😘

    ResponderExcluir
  4. Oi Pâm! A história está ótima, você a a Ale deveriam juntar todas e publicar. Adorei! Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir