[RESENHA] O Visconde que Me Amava, de Julia Quinn (Os Bridgertons #2)

Postado em 3 de abril de 2017 às 14:55 por

Hey cupcakes! Hoje é dia de mais uma resenha sobre essa família querida: os Bridgertons! Você não precisa necessariamente ter lido o primeiro para ler o segundo, mas é importante saber que podem haver alguns spoilers não lendo o primeiro. Eu deixo você ler a minha resenha porque ela não tem spoilers sobre ele HEHE

Vem conferir?

 Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração. Considerada a Jane Austen contemporânea, Julia Quinn mantém, neste segundo livro da série Os Bridgertons, o senso de humor e a capacidade de despertar emoções que lhe permitem construir personagens carismáticos e histórias inesquecíveis.

RESENHA
Depois de conhecer a srta. Bridgertons, Daphne, é hora de conhecer seu irmão: Anthony, o mais velho dos oito irmãos e se não os mais, um dos mais cobiçados homens da sociedade inglesa que acredita que está no ano certo para fazer o que evitou por tantos anos:  encontrar uma esposa, dando um basta na sua rotina de solteiro. O porquê da decisão repentina é muito mais profundo, mas Anthony deseja isso e por que não, com a moça mais linda dos bailes da temporada: Edwina Sheffield. Aliás, a capa do livro pode exatamente ser ela! O que Anthony não contava era que, para pedir a moça em casamento, ele precisava ser aprovado pela sua irmã mais velha: Kate Sheffield. Que, aliás, não aprova o moço, uma vez que, no jornal da sociedade Whistledown, ele é tido como o libertino mais ousado e galinha que se possa ser... Por que ela iria querer um homem desse para sua irmã mais nova? Anthony conseguiria convencê-la de que ele é um bom partido para... sua irmã?  será que ele conseguiria cumprir seu desejo de se casar com uma mulher que ele não tem a intenção de se apaixonar?
Era engraçado, refletiu mais tarde, como a vida de alguém podia mudar num único instante, como tudo podia ser de um jeito num minuto e, no seguinte, simplesmente se transformar em algo… diferente.
Mais uma vez estamos com a família Bridgerton e seu bom humor - triste é algo que é difícil de ficar nesse livro. Kate tem um senso de humor maravilhoso, é espirituosa, simpática, além de ser engraçada e ter um coração de ouro - mesmo quando Anthony a deixa de cabelos em pé. Anthony é gentil e por ser mais velho, responsável, além de ser natural e um doce de rapaz, não condizendo muito com a sua fama de libertino, como a de Colin (que é outro dos irmãos Bridgertons, maravilhoso!) quanto Kate imaginava que seria. Edwina é difícil de odiar: apesar de inicialmente achar que ela seria cabeça oca, erroneamente, gostei muito das aparições dela e torci para que ela tivesse um bom desfecho.
Era provável que ele não encontrasse o amor de sua vida mesmo se estivesse procurando por ele. A maioria dos homens não encontrava.
Algo que me incomodou no Anthony foi a sua crença, além de ser muito teimoso, ele batia muito o pé que estava certo quanto a isso. O que pode ser bom quando é muito cuidado em outros assuntos. MAS para a época acredito que fazia total sentido porque hoje temos um entendimento maior das coisas, por exemplo, ao que passava na época e para ele, a explicação da morte de seu pai fazia total sentido, quando falaríamos um "dãããa" hoje em dia. Algumas explicações casamenteiras ficaram muito parecidas apesar de ocorrerem em famílias diferentes de um livro para o outro. O romance está presente de uma forma delicada, sutil e ao mesmo tempo você consegue perceber que ele está ali, sem ficar um chiclete e chato de se ler. 
 Muitas vezes, é difícil compartilhar nossos temores com aqueles que mais amamos.
 Arqueiro não decepcionou, mais uma vez, com fontes em tamanho bons e simples, páginas amarelas e boas margens para leitura, ao menos na edição comum do livro. Algo que me irrita são as divisões de capítulos, mas já me acostumei com isso, ainda que eu preferiria que fossem divididos em páginas diferentes, mas no mais, sem problemas: erros são poucos e não atrapalham em nada sua leitura. Aposto que se você gosta do gênero, vai amar!

Já deu para perceber que continua na lista de romances de época favoritos, né?  E você, já leu algo do autora? Gosta de romances de época? Me recomenda algum? rsrs

Você também pode gostar de:

6 comentários

  1. Olá, eu já li esse série e esse foi meu livro favorito dela. Gostei muito da história do Anthony e da Kate, e como eles se desentendiam no início mas depois acabaram se apaixonando. A relação da Kate com a irmã e a madrasta também é muito legal de se ver.

    Te convido para participar do Top Comentarista no blog, valendo o livro Ninfeias Negras, tá super fácil e o livro é muito legal: http://petalasdeliberdade.blogspot.com/2017/04/top-comentarista-de-abril-valendo-o.html .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmmm!
      Isso é verdade Mari! Eles são uns fofos e tem uma relação muito bonita também *-*
      OOPAA, vou tentar participar sim!!!

      beijocas

      Excluir
  2. Oi, Pam!
    Eu estou com um projeto pessoal de ler toda essa série durante o ano. Já li quatro hahahahaha
    Eu gostei muito desse livro, mas Anthony me encheu o saco com essa crença dele.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmm
      acho que é a pior parte do Anthony, tadinho... É muito turrão HAHAHAHAHH
      Colin é o melhor até agora HAHAHAHAH
      beijocas

      Excluir
  3. Julia Quinn é aquele tipo de autora que sempre te salva da ressaca literária, ou daquela fase 'nada me agrada porque nada é bom', rs.
    VEM COLIN! <3 Meu favorito!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIMMMMMMMMMMMMMMM
      Colin é o mais maravilhoso dos meninos Bridgertons até agora HAHAHAHAH
      amei Ale!
      beijocas

      Excluir

NEWSletter

Blog Archive