[RESENHA] Ash, de Jane Harvey-Berrick

Postado em 7 de abril de 2021 às 06:40

Hey cupcakes! Como vocês estão? Hoje é dia de resenha do livro Ash, da autora Jane Harvey-Berrick, publicado pela The Gift Box aqui no Brasil.

Título: Ash (Slave to the Rhytm)
Série: Prisioneiros do Ritmo
Volume: 1
Autor: Jane Harvey-Berrick
Páginas: 328
Editora: The Gift Box
Gênero: Romance Dark / Drama /Literatura Estrangeira

SinopseMúsica na minha cabeça, dança no meu corpo, e o ritmo do meu coração.Até que ponto você é capaz de ruir em apenas um mês? Com que rapidez o espírito humano pode ser destruído? Onde o mal se esconde em plena vista?
Ash quer dançar. Precisa disso. Abandonar uma vida de expectativa e obrigações, libertar sua alma.
Mas a vida nunca é descomplicada. Cada passo é uma jornada em um novo caminho.

Para toda a ação, existe uma reação.
Toda escolha tem uma consequência.
E quando você conhece a pessoa errada, tudo pode acontecer.
Laney tolera suas limitações, pressionando devagar os limites. Mas quando Ash colide em seu mundo com raiva e violência, provoca uma reação em cadeia que nenhum deles esperava.


Uma história de amor nos lugares mais sombrios, no momento mais desesperador.

Quando o dançarino Ash chega a Las Vegas da Eslovênia, sua terra natal, fica surpreso ao ter seu passaporte retido imediatamente pelos chefes russos. Não fazia a menor ideia de que estaria trabalhando para mafiosos sem coração e sem alma. Ele é preso, obrigado a fazer coisas desprezíveis e que o lançam em um desespero sufocante e desesperador.

Laney está em Las Vegas para um fim de semana com as amigas. Ela não tem ideia do perigo em que está prestes a tropeçar. Mas quando conhece Ash, vê uma alma sofrida e decide ajudá-lo – independente do quanto isso vai custar para ela...

* * * * * *
Este livro contém cenas que alguns leitores podem achar angustiantes e não é indicado para menores de 18 anos.

Os criminosos dessa história NÃO são homens que amam suas mães, vilões nobres ou colocam a família em primeiro lugar, mas sim, monstros do crime organizado que lucram explorando a miséria da humanidade.

Continue lendo para conferir!

RESENHA

Em Ash, vamos conhecer uma história de música, mas também de dor. Ash é um esloveno que está buscando viver o seu sonho: a dança. Mas para isso, ele precisa sair do seu país natal e encontrar o seu trabalho em Las Vegas. Mas os seus planos mudam quando ele tem seu passaporte retido pela máfia russa e descobre quem é a nova chefia. Ele não poderia saber. Não tinha ideia. E mal podia imaginar as atrocidades aos quais seu coração precisaria aguentar. E em meio a tudo isso, conhecer Laney, uma moça que estava apenas passando um final de semana por lá e tropeça no seu destino. E tudo tem um preço a ser pago. 


Ash é um romance dark, então devo dizer que ele contém algumas cenas fortes e que podem causar gatilhos. MAS Ash é mais que isso, pois a autora traz alguns temas que achei muito relevantes e também que me fez rever meus próprios conceitos e preconceitos. Como faz a gente rever nosso ponto de vista é algo que fez meu cérebro trabalhar bastante e ao mesmo tempo que isso incomoda, faz a gente crescer.
Uma parte minha as invejava - a parte que sempre invejava pessoas que podiam ser tão livres.
Pág. 6
O livro aborda diferentes pontos sobre o mundo da dança. Gostei como a autora fala de uma forma real, com uma riqueza de cada detalhe da dança, e mesmo sabendo que é ficção, poderia muito bem ser a história de alguém que você conhece. Ela traz uma certeza e faz a gente acreditar na história pela facilidade em desenrolar a veracidade dos fatos, tanto sobre a correria, dificuldades, treinamentos, o desenvolvimento social quanto o lado obscuro a que podemos nos submeter ou sermos submetidos à, como, por exemplo, a busca pelo corpo perfeito, o tráfico, a cobiça dos corpos e das pessoas. 
Eu dancei e o mundo parou. Toda a dor, toda a amargura, perdido na música.
Pág. 20
Um ponto que achei interessante na forma que foi feito o desenvolvimento, que pode ser real, é a máfia. O livro é bem visual e as cenas são fáceis de imaginar na nossa cabeça. Além do que, o livro tem diversos cenários para se conhecer como Eslovênia, Las Vegas e Nebraska, sendo esse primeiro especial para mim por motivos de escrita. Ah! A narrativa é dividida, então ora temos uma visão da mocinha e ora temos uma visão do mocinho.

A história tem início, meio e fim, mas depois vamos conhecer Luka, amigo de Ash que tem uma importância também nessa narrativa. Não deixo de dizer: primeiro é importante ler Ash para depois se aventurar em Luka. #fikdik
Todo mundo morre. Todos. Mas hoje, pensei que era a minha vez.
Pág. 53
Devo dizer que Laney é uma mocinha bem forte e ela passa por muitos obstáculos e a autora traz à tona até mesmo alguns detalhes que desconhecemos ou que passam despercebidos por nós. Confesso que o assunto relacionado à ela não foi algo que eu já vi em outros livros - na verdade, não tinha visto em nenhum. Ela e Ash tem muitos tipos de dores: físicas, psicológicas e vão descobrir que podem juntos se ajudar. Achei o romance bem leve entre os dois e acho que poderia ter mais uma faísca, sabe? 
Garotas não ficam por perto se você não der atenção suficiente para elas. 
Pág. 32
Ash foi uma leitura intensa, um romance dark que aborda diferentes conflitos, traz à tona um outro lado para estereótipos, além de trazer muitos detalhes do mundo da dança, da dor, do preconceito. De ter que dar o sangue por algo que você ama, de aprender a ter um novo olhar sobre as coisas e sobre a vida. Ver as oportunidades que surgem e que o destino ou a vida lhe oferece. Adorei como a autora trouxe alguns questionamentos e diferentes cenários - certamente a ligação com a Eslovênia deu um quentinho no meu coração. E já estou com Luka para trazer resenha em breve!

Classificação: ⭐⭐⭐⭐


Você poderá gostar de:

5 comentário (s)

  1. Oi, Pâmela. Como vai? Que bom que gostou da obra. Parece-me um bom livro. Muito boa sua resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Amei a resenha. Esse livro parece muito bom e bordar diversas coisas legais, mas tenho um receio tão grande com história de máfia ou com livro com muito gatilho rs
    A capa está linda
    beijos
    https://www.dearlytay.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a capa é lindona, né?
      Ele é um livro que tem alguns temas um pouco mais pesados, incomoda, sabe? Mas recomendo, traz uma percepção diferente, sabe??

      Excluir
  3. Oi Pamzinha,
    Não sei, acho que foi diferente... Ash é um livro forte, intenso e não esperava algo dark, mas não foi tão apaixonante quanto eu queria, sabe?
    Queria ter me envolvido mais com o romance, com o casal. Infelizmente, mas gosto bastante da narrativa da Jane Harvey Berrick.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir