[RESENHA] A Escolhida, de Amanda Ághata Costa

Postado em 23 de fevereiro de 2017 às 09:30 por

Hey cupcakes! Hoje é dia de resenha do livro de um autora parceira que eu simplesmente também quero colocar num potinho (que fofura de menina, gente!) e bem, é dia de contar um pouco sobre a experiência de leitura que tive com a Ari e o universo de Lostcity. Continue lendo! 
Eu juro que não teve nenhuma edição essa foto e olha como a Ari ficou iluminada! :)
Sinopse: Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota perdida na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais. Através de sua aparência impecável e feições delicadas, ninguém conseguiria supor quem ela é e o que gosta de fazer: um anjo com sede de sangue, sempre disposta a ceifar novas vítimas. Porém, tudo muda quando é capturada por dois feiticeiros e levada para o círculo, lugar onde eles vivem sob a liderança de Egran, um homem cruel que não mede esforços para conseguir o que quer. Em meio a várias mudanças repentinas, terá de enfrentar suas convicções a fim de descobrir um lado de si mesma que não imaginava existir. Será que o amor vai fazer brotar a alegria em seu coração? Ou ele irá arrastá-la diretamente para a morte? Ari será capaz de finalmente superar o próprio passado sombrio ou sucumbirá a ele, deixando pelo caminho mais um grande rastro de destruição?

RESENHA
Desde que vi esse livro na faixa na promoção da Amazon e na pós bienal que a Arwen fez eu fiquei interessada mas não tinha me dado a oportunidade para lê-lo... Mal sabia eu o quanto Amanda iria me conquistar com seus quotes inesperados em uma personagem inusitada.
O lado que eu insisto em deixar aprisionado é impenetrável e jamais será tocado por alguém. É assim que as coisas funcionam. Esta é a minha versão perfeita.
Ari vive em Lostcity, uma cidade em que ela basicamente vive em alusão ao nome da cidade, perdida:  perdida em seus pensamentos e atos, na maioria das vezes terríveis e inescrupulosos apesar do rostinho doce e do olhar profundo. Mas ela não é uma menina qualquer e muito menos humana... Ela, na verdade, nasceu de um anjo e um demônio e assim, sua natureza não poderia, de qualquer forma, pender somente para o bem. Bem, pelo menos até agora, quando foi capturada por dois feiticeiros e ter que mudar completamente sua rotina solitária para novos afazeres em grupo, ao qual ela nunca esteve acostumada e nem sabia que existia em si mesmo.  
- Eu sou um grande mistério.
- Sendo assim, quero desvendar cada centímetro dele.
Mas será que Ari é realmente mais do que imaginava? Será que existe um coraçãozinho que pulsa sangue bom dentro do kiwizinho atual em que está vivendo internamente? E será que esses novos colegas poderão se tornar seus amigos se ela nunca teve algum? Ela pode estar aberta... Ao amor? São questões que vão surgindo, dentre outras, e vão sendo respondidas ao longo das páginas então você tem que ler pra saber (MUAHAHAHAHAHAHA). O enredo no início me pareceu um pouco confuso com a Ari ser raptada, mas é apenas uma adaptação da Ari a esse mundo novo de gente que ela está sendo apresentada e precisa lidar com isso, logo a confusão da minha cabeça sumiu e eu me vi perdida também em Lostcity, ô ironia da vida! 
Não podemos fingir que somos iguais, mas juntos podemos ser diferentes, de um jeito que nossas diferenças  nem serão percebidas.
Agora falando sobre as personagens não achei muitas pontas em questão do ser, mas vamos combinar que eu tive vontade de puxar muito a orelha da Ari pela teimosia e rejeição que ela por vezes tem, tanto por achar não merecer, ser proibida dentre outras limitações. Ari é uma personagem forte, de humor irônico e traços marcantes de personalidade para uma Banida. Luke é doce e intrigante, forte e protetor... O tipo de mocinho que você tem desejos de que se o amor dele não o quiser, você o quer (sou dessas!). As amigas e amigos são realmente amigos e vamos combinar que temos muits situações que põe a prova essa amizade, principalmente para Vincy, Tyla, Lina... Que são amores! Temos vilões ácidos e bonitões, pra ninguém botar defeito (HA). Olha, a minha última experiência com anjos não foi das melhores, mas A Escolhida veio para pôr em jogo se anjos estão em baixa e depois desse livro posso dizer que não. Mas Ari, pelo amor, seja menos relutante com um certo personagem em A Subestimada, por favor! #semspoiler

Vou dar um crédito também às edições digital e física, porque SIM eu ostento e tenho as duas. Brincadeiras à parte, cada capítulo tem esse detalhe e o título do capítulo (Capítulo Um, Dois...) em letras cursivas. Páginas amarelas. Toda maravilhitude que tem, A Escolhida ainda com alguns (creio que dois ou três, está bem revisado meeeesmo!) erros de digitação, não são gritantes e não vão atrapalhar a sua leitura. O livro também contém ilustração e a capa é maravilhosa! Sério, a Arwen capricha um bocado nas edições.  Então anotou né? Tem romance, tem ação, tem piadinhas e humor ácido, tem aventura e personagens apaixonantes e ainda tem seres sobrenaturais regando tudo, sem ficar clichêzão (a mocinha NÃO É NADA clichê, e isso é muito positivo porque eu admito que tem horas que eu canso de ver sempre a mesma coisa inicialmente) e vai ter muuuuuuuuitos quotes. Anotou? Agora diz aí, o que achou? Conhecia? Não quer conhecer? rsrsr pode comentar, vou adorar conversar sobre :)

Ah! Aproveita e participa das promoções que tão rolando no blog, tá?

Você também pode gostar de:

3 comentários

  1. Pâm, amei muuuuito a resenha! Fico feliz por ter achado a história diferente de outras do gênero e que tenha gostado da premissa, apesar de a Ari ser bem difícil na maior parte do tempo. Espero que goste da continuação e prometo que vou ser mais boazinha, hahahaha. Beijos! <3

    ResponderExcluir

NEWSletter

Blog Archive