[RESENHA] A menina que roubava livros, de Markus Suzak

Postado em 19 de julho de 2015 às 22:51 por

Muitos anos depois do lançamento e alguns anos depois de ter lido, venho trazer a resenha de um dos melhores livros que eu considero já ter lido na vida, e fiquei aos prantos assim que terminei a leitura. Já li outros livros do autor, mas esse tem um destaque tanto pela história quanto pelo narrador-personagem. Vem conferir?

Para quem gosta de um livro que te deixe com vários pontos de interrogação na testa e que se passe na Segunda Guerra Mundial, esse é o recomendado. Mas vamos lá!

Sinopse
A Menina que Roubava LivrosA trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.
A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.


Quando a Morte conta uma história, você tem que parar para ler.

RESENHA
Li esse livro há pelo menos uns bons três anos, e ainda me lembro da história. Ainda sinto saudade de reler, e um dia tenho que comprar uma edição melhorzinha - a minha edição econômica sofreu os efeitos do tempo na orelha, mesmo eu cuidando ela fica viradinha. Mas tudo bem.
A narradora da história começa o livro falando um pouco sobre a morte. Até que ela finalmente se apresenta como sendo a própria Morte. Bizarro? Estranho? Peculiar... Mas aos poucos você se acostuma com a narradora. Ou não?
Decididamente, eu sei ser animada, sei ser amável. Agradável. Afável. E esses são apenas os As. Só não me peça para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.

A Morte acaba se encontrando com Liesel Meminger, uma garotinha que vai viver na Alemanha nazista, sem irmão nem mãe, com uma família completamente nova, onde conhecerá alguns amigos e terá muita história para contar. Fora os acontecimentos paralelos da Segunda Guerra, que você vai entendendo aos poucos, porque se você está pensando que a Morte só vai ficar falando de Liesel, está enganado. Como a narradora não é a Liesel, não temos a visão dela, mas sim, a visão da Morte sobre ela e dentre as aparições constantes de Liesel, temos outras almas que a Morte tem de acolher diante das imposições de Hitler. Então, Liesel conhece alguns amigos que vão lhe ajudar com a questão de ser uma roubadora de livros e também com a fome de aprender e ler que ela tem, algo insaciável. Aí que as coisas começam a andar de verdade, e talvez para um rumo não muito inevitável.
Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito.
Markus Zusak construiu personagens singelos, e apesar de ter um começo encantador, uma metade cansativa e um final no mínimo emocionante, é um ótimo livro. Se você gosta de ler sobre as Guerras, costumes da Alemanha, conhecer um pouco dessa época e de livros, certamente você vai se encantar com as mensagens que são passadas ao longo da obra. Os cenários cheios de neve de chuva, as pessoas e toda uma nação comandada por um bigodudo, acabam sendo nada perto da nossa narradora especial, e certamente existem muito mais quotes do que tem aqui.
Em completa desolação, olhei para o mundo lá em cima. Vi o céu transformar-se de prata em cinza e em cor de chuva. Até as nuvens tentavam fugir. Vez por outra, eu imaginava como seria tudo acima daquelas nuvens, sabendo, sem sombra de dúvida, que o sol era louro e a atmosfera interminável era um gigantesco olho azul.
Enfim, é um livro que muito me encantou, apesar da leitura começar realmente a engatar depois de uma frase super "spoilística" da narradora, que eu não vou contar, é claro. E vocês? Já leram? Gostaram?

 UMA DEFINIÇÃO NÃO ENCONTRADA NO DICIONÁRIO - Não ir embora: ato de confiança e amor, comumente decifrado pelas crianças.

Você também pode gostar de:

18 comentários

  1. Oiee
    Sou apaixonada por esse livro, adoro o cenário e os personagens. Já li duas vezes e quero ler de novo kkk
    Adorei a resenha ;p
    Beijinhos Screepeer
    http://screepeer.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Apesar do grande sucesso do livro e inúmeras resenhas positivas ainda não tenho esse livro. Fiquei somente no filme que adorei!
    Bjs
    eternamente-princesa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Pâm!
    Que resenha fofa! <3
    Eu só assisti ao filme e gostei muito, achei singelo e tocante. Não li o livro por falta de tempo, mas essa história vale muito a pena!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Todos sempre elogiam copiosamente esse livro, todos amam incondicionalmente, mas eu confesso que nem vontade de ler eu tenho, rsrs. Sério, algo nele simplesmente não chama minha atenção, apesar dessa coisa de ter a morte como narradora ser curiosíssima.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Pâm!
    O link de uma das fotos está quebrado ;( (essa vai ser minha marca registrada)
    Sabe, eu não li o livro, mas assisti o filme hehe
    Não sei se isso me torna competente para comentar alguma coisa. Hoje eu estou pouco confiante com meu conhecimento de historias... Apesar de ter gostado da adaptação.
    vcsabeoblog.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca li, mas tenho muita vontade e agora ainda mais. Até porque achei bem bizarro isso de a narradora se dizer (essa frase não esta muito coerente né?!) ser a própria morte. Nunca ouvi falar de tal coisa. Agora quero saber os motivos por trás disso oh. Espero que tenha explicação.

    Inquietudes Secretas

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Eu amo demais A Menina Que Roubava Livros <3 o li já algum tempo, mas mesmo assim, ele ainda continua sendo um dos meus melhores livros da vida. Ele é muito emocionante e admito que no final o autor conseguiu me tirar algumas lágrimas hahaha, aliás eu pretendo ler outras obras dele!

    Adorei a resenha e seu blog é lindo, já estou seguindo! Se puder dá uma passadinha lá no meu eu ficaria muito agradecida!
    Beijos.
    http://madrugadadeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Pâm, Pode deixar que eu jogo um monte de confetinhos de chocolate!! rsrsrs

    Eu sou apaixonada por esse livro, arrisco a dizer que é meu favorito. E olha que não gosto muito de filmes de guerra... mas esse é lindo, e como eu vi a morte de perto (não por mim, pelo meu pai) acabo compreendendo de uma forma diferente algumas frases da Sra. Morte. Gosto da parte que ela fala sobre olhar para quem fica. Imaginei se ela me olho para mim na hora que ela levou meu pai... (isso não é pra ser uma história triste).
    E o que falar do Rudy?! Eu amo esse menino! Imagina em meio a uma alemanha nazista ele se sujar de lama pra imitar um negro! Não é de beijar esse menino?! hauahuah "Que tal um beijo, Saumensch?"

    Bjinhos
    JuJu
    As Besteiras Que Me Contam

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Esse livro é aqueles que quase todo mundo leu né?
    Menos eu.
    Nem vi o filme, ainda.
    AUSHUAS
    Mas morro de curiosidade, quero muito ler um dia!

    http://blogexplicita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Essa obra é muito boa mesmo, só não me encantou tanto quanto a você haha ficou ótima a resenha também!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha de "Segredos de uma noite de verão" no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Pâm!

    Eu ainda não li esse livro e me envergonho por isso! =/ Eu não consigo sentir vontade, e é uma coisa que me impede, não sei o que fazer! Acho que terei que começar a leitura mesmo sem vontade, para ver se me conecto, sei lá.
    Todos falam tão bem...é difícil ler uma coisa negativa sobre esse livro. Dizem que o filme é bem fiel, mas não queria assistir, pois tenho certeza que é aí mesmo que eu não leria o livro depois!

    Sobre Uma Longa Jornada...já li o livro e já assisti o filme! Postei até resenha do filme semana retrasada, acho que há uns 5 posts. Eu adorei o livro e não curti o filme!

    E menina, estava eu sozinha, sem nada pra fazer, sem vontade de ler...eis que ligo a Netflix e, passando filme por filme, me deparo com O Melhor de Mim!

    Pensei "Não, Tamires, não assiste! Leia o livro primeiro, leia o livro primeiro!". E sabe o que eu fiz? Vi o filme! hahahahha
    Que final mais :( e agora não quero ler o livrooooooooooooo! hhahahhaha Oh vida!

    Um Porto Seguro também não li!

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  12. Oii,
    *.* eu simplesmente amo esse livro, tenho vontade de adotar Liesel. De todos os livros que li, acho ela é uma das personagens mais cativantes.
    Sua resenha ficou maravilhosa!

    Beijos,
    Juh
    http://umminutoumlivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Pââââm!
    Esse livro está na minha lista de desejados, em breve quero lê-lo e você elogiando tanto, quero ainda mais agora.
    Eu assisti o filme e me emocionei bastante, acredito que com o livro será uma experiencia ainda melhor e única.
    Adorei sua recomendação.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá, pâm!
    Que saudades desse livro, primeira vez que o li faz quase 7 anos ^-^ lembro que estava na sétima série e já naquela época eu fiquei emocionada rsrsrs é muito bom, foi tipo paixao na vitrine quando o olhei.
    ótima resenha

    bjs, Carol | Espilotríssimo
    www.carolespilotro.com

    ResponderExcluir
  15. A Menina que Roubava Livros é um clássico da nossa literatura moderna. Impossível não se encantar com a obra e com a beleza intrínseca aos personagens.
    Excelente resenha.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Este é mesmo um livro encantador, não é? Eu particularmente não gostei tanto da história, mas a forma como é contada faz toda a diferença. O Markus tem um dom em organizar palavras e tornar uma passagem simples em um momento marcante. Com uma narradora dessas, então...
    Abraços purpurinados ♥
    Elisa,
    The Fat Unicorn

    ResponderExcluir
  17. Olá!!! Tudo bom? Eu adoro a escrita do Zusak e eu fiquei encantado mesmo quando li A GATOTA QUE EU QUERO. Porém, sinto vergonha de dizer que, com tantas críticas boas, eu não li e nem tenho uma vontade que chega 50% (RS.) de ler. Não entendo, mas não consigo. Quem sabe um dia, né? Pra VC ter ideia nem mesmo o filme eu assisti.

    Bjux,
    Diego, Blog Vida & Letras
    http://blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Oi Pâm! ^^
    Eu comecei a ler esse livro, mas tive que devolver e não consegui terminar.
    Tenho muita curiosidade para saber como a história termina, mas acho que vou ter que começar a ler o livro de novo. Já esqueci o que li, estava muito no comecinho.

    Beijussss;
    https://facebook.com/BlogMenteHipercriativa
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

NEWSletter

Blog Archive