[RESENHA] Cidade de Vidro, de Cassandra Clare #3

Postado em 18 de outubro de 2014 às 21:06 por

Hoje tem resenha de mais um livro da séries Os Instrumentos Mortais, que eu ainda não terminei de ler - só falta Cidade do Fogo Celestial, ai meu coração.. Mas vamos lá!
 Será que volto com o antigo formato de resenhas ?

Tradução de: City of Glass
Autor(a): Cassandra Clare
Páginas: 474
Editora: Galera Record
Ano: 2011

Cidade de Vidro 
Sinopse: Clary está à procura de uma poção para salvar a vida de sua mãe. Para isso, ela deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras, criando um portal sozinha. Só mais uma prova de que seus poderes estão mais sofisticados a cada dia. Para Clary, o perigo que isso representa é tão ou menos assustador quanto o fato de que Jace não a quer por perto. Mas nem o fora de Jace nem estar quebrando as regras irão afastá-la de seu objetivo: encontrar Ragnor Fell, o feiticeiro que pode ajudá-la a curar a mãe. 





 RESENHA












Essa resenha é do terceiro livro da série de Cassandra Clare. Tentarei não dar muito mais spoilers que a sinopse. As resenhas dos livros anteriores de Cidade dos Ossos e Cidade das Cinzas também já foram publicadas aqui no blog.
Enfim. Eu li esse livro faz um tempinho (em 2012) e ainda sinto os efeitos colaterais que me causaram. Muito bons, muito impactantes. Esse é o tipo de livro que te prende, te faz mergulhar nas páginas e quando algo acontece, realmente te atingir em cheio. É isso que Instrumentos Mortais faz comigo.
As pessoas não nascem boas ou ruins. Talvez nasçam com tendências a um caminho ou outro, mas é a maneira como se vive a vida que importa.
É o caso de quando ver Cassandra nas entrevistas e na foto da língua do livro, não saber se quero abraçá-la ou dar uns tapinhas. 
Clary Fray mais uma vez nos dá o ar da graça com sua presença, e está procurando pelo antídoto para curar sua mãe, e acredite, ela não vai medir esforços em procurá-lo. Nem que ela tenha de criar um portal, o que prova que seus poderes estão ficando cada vez mais fortes em relação aos símbolos que consegue criar.
Então uma nova aventura se inicia com esse desejo e milhões de coisas começam a acontecer e assim, a leitura flui.
Personagens novos, segredos, mortes e tudo que talvez não seja tão bom começa a acontecer. Acho que não poderia imaginar tantas outras ramificações quanto a que Cassandra cria com esse livro.
A relação de Jace com Clary, de Max,... Magnus Bane nos causando interrogações na cabeça.Falando em relação de Jace com Clary, adorei o ciúmes, as histórias, o novo personagem que causa muita intriga e muitos problemas.
Eu não te culpo se você me odeia, eu gostaria que você odiasse. Enquanto eu ainda puder sonhar, vou sonhar com você.
Uma personagem que muito surpreendeu e eu de fato comecei a gostar dela nesse livro, foi a Isabelle Lightwood. Ela se tornou uma das minhas personagens favoritas. A forma como a autora começa a expandir os sentimentos e o que cada um é, é realmente muito interessante.

Não dá para fingir- disse Jace, objetivo.- Eu amo você, e vou amar até morrer,e se houver vida depois disso, vou amar também.
Gostei da forma como foi conduzida a história, apesar do final deixar muitas dúvidas. Pensei que seria um bom final para uma trilogia, mas as continuações de Cidade dos Anjos Caídos e Cidade das Almas Perdidas existem para dar maiores explicações e casarem com o prequel Peças Infernais (resenha de Anjo Mecânico publicada no blog).
E agora estou olhando para você, e você está me perguntando se ainda a quero, como se eu pudesse deixar de amar. Como se eu fosse desistir do que me deixa mais forte que qualquer outra coisa. Nunca ousei dar tanto de mim a ninguém antes; apenas pedaços de mim aos Lightwood, a Isabelle e Alec, levei anos para fazer isso… Mas Clary, desde a primeira vez que a vi, pertenci completamente a você. E continuo pertencendo. Se você me quiser. 
Acho que a única coisa que eu não gosto muito, é que o início sempre demoro um pouco para ler mais rápido, mas depois que chega num certo ponto da história, não tem como parar.
A edição também é maravilhosa ,com brilho na capa e páginas amarelas.
Posso dizer que sou Team Jace para sempre? Pois eu sou!
Beijocas pra vocês!

Você também pode gostar de:

1 comentários

  1. Oi, Possani! Tudo bem?
    Meu, parabéns pela resenha bem escrita! Ainda não li nenhum livro da série Os Instrumentos Mortais, mas cada vez que leio uma resenha tão bacana assim, fico mais e mais tentada a adquirir o box completo. Parece tão legal! Tão viajante!

    Um beijo!
    Doce Sabor dos Livros - Aguardo a sua visita!

    ResponderExcluir

NEWSletter